Criteria Weekly – nova onda de ataques de mísseis russos atinge Kyiv

As principais notícias macroeconômicas e atualizações da semana sobre o mercado e que impactaram seus investimentos você confere na Criteria Weekly!

No editorial desta semana, trouxemos as principais notícias sobre Brasil, USA, China, Zona do Euro e o embate entre Rússia e Ucrânia. Saiba mais sobre os números da IBOVESPA, desemprego nos USA e queda de vendas no varejo chinês. 

ÍNDICES GLOBAIS, MOEDAS E COMMODITIES

macroeconômicos-weekly-criteria-partners-investimentos-china-notícias

O IBOVESPA foi pressionado por notícias negativas provindas de Brasília, encerrando a semana aos 102.855 pontos e recuando 4,34% no acumulado da semana. Entre as maiores quedas do índice brasileiro, companhias ligadas ao mercado interno. As ações ordinárias da Magazine Luiza (MGLU3) perderam 9,23%, as da Americanas (AMER3), 7,89%, e as da CVC (CVCB3), 7,58%.

PETROBRAS

Petrobras faz acordo para perfurar na Margem Equatorial. A companhia concordou em perfurar dois  poços exploratórios em blocos nas bacias de Barreirinhas ou Potiguar que podem levar a investimentos entre R$ 579 milhões e R$ 687 milhões. A expectativa da estatal é abrir uma nova fronteira de exploração e produção que ajude a compensar o declínio da extração de petróleo e gás na região do pré – sal nas próximas décadas. Ao todo, a Petrobras prevê perfurar 16 poços na margem entre 2023 e 2027. A região vai receber 49% dos investimentos exploratórios da estatal no período. 

DRIVERS MACROECONÔMICOS

O Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) voltou a desacelerar, para 0,59% na segunda lei tura de dezembro, vindo de 0,67%, e acumulando alta de 4,53% nos últimos 12 meses. Vale mencionar o comportamento da gasolina, cujo preço variou 1,10%, ante 2,27%. 

O Índice Geral de Preços – 10 (IGP- 10) subiu 0,36% em dezembro, após a queda de 0,59% em novembro, acumulando um aumento de 6,08% no ano de 2022. O resultado ficou dentro das estimativas dos analistas. 

STF SOLTA CABRAL

Sérgio Cabral deve deixar a cadeia na segunda-feira e ir para prisão domiciliar em Copacabana, diz defesa. STF revogou a prisão preventiva em um dos processos por considerar excessivo o tempo de uma medida que deveria ser provisória. 

ESTADOS UNIDOS

Dow Jones, S&P 500 e Nasdaq recuaram, respectivamente, 0,85%, 1,11% e 0,97%, na sexta-feira, marcado pelo temor de um aperto monetário mais duradouro e de consequente desaceleração, ou recessão, da economia norte-americana.

FOMC

O Fomc, comitê do Federal Reserve (Fed) responsável por decidir a taxa de juros nos Estados Unidos, elevou a taxa de juros em 0,50 ponto percentual (p.p.) para o intervalo entre 4,25% e 4,5% – o nível mais alto desde 2007. O Comitê trouxe uma sinalização de que o juros podem ir além do esperado e ficar em patamares elevados por mais tempo

DRIVERS MACROECONÔMICOS

O índice de preços ao consumidor (CPI) subiu 0,1% em novembro, na comparação com outubro. O dado veio abaixo das expectativas de mercado, de 0,3%. Com isso, a inflação para o consumidor atingiu 7,1% no acumulado em 12 meses.

 Pedidos de seguro-desemprego caem para 211 mil; projeção era de 230 mil. A média móvel de 4 semanas foi de 227.250, uma queda de 3.000 em relação à média da semana anterior.

CHINA

SWAPS DE CÂMBIO 

O banco central chinês canalizou bilhões de dólares na última década para cerca de 20 países como Paquistão, Sri Lanka, Argentina e Laos, via linhas de swap que permitem aos bancos centrais internacionais trocar suas moedas domésticas por yuans chineses. 

As transações, segundo analistas, são parte de um esforço amplo, mas pouco transparente das autoridades chinesas para apoiar governos que contraíram empréstimos pesados junto a bancos chineses como parte da Iniciativa do Cinturão e da Rota, um projeto de US$ 1 trilhão do governo chinês para financiar projetos de infraestrutura e ganhar influência em todo o mundo. 

O PBoC diz que as linhas de swap existem para ajudar a lubrificar as engrenagens do comércio internacional, assegurar a estabilidade financeira e promover a adoção do yuan num mundo em que o comércio e as finanças são dominados pelo dólar.

Dados divulgados pela China mostraram o forte impacto econômico causado pelas restrições à circulação no país dentro da política de covid-zero imposta pelo governo. 

DRIVERS MACROECONÔMICOS

A produção industrial chinesa aumentou 2,2% em novembro em relação ao mesmo mês do ano passado, uma desaceleração em relação a outubro, quando o indicador mostrou uma expansão de 5%. O consenso de mercado apontava para avanço de 3,6%. 

As vendas no varejo da China, por sua vez, caíram 5,9%, também na comparação anual. Nesse caso, os analistas previram uma queda menor, de 3,7%. E o indicador mostrou uma aceleração dessa queda, já quem outubro o recuo havia sido de 0,5%.

ZONA DO EURO

JUROS

Christine Lagarde, assustou os mercados ao enfaticamente afirmar que a zona do euro tem um caminho mais longo a percorrer que o Federal Reserve, devido à resiliência das pressões inflacionárias na região. O BCE elevou os juros em 0,50 ponto percentual, aumentando sua taxa de depósito de 1,5% para 2%, reduzindo o ritmo do aperto depois da alta de 0,75 ponto de novembro. É a maior taxa desde 2008. O Banco da Inglaterra (BoE) também seguiu o mesmo caminho e efetivou uma alta de juros de 0,50 ponto, para 3,5%. 

DRIVERS MACROECONÔMICOS

O Índice de Gerentes de Compras (PMI) de serviços sobe de 48,5 para 49,1 em dezembro e o da indústria avança de 47,1 para 47,8; ambos superaram as projeções. 

A inflação ao consumidor (CPI) mostrou desaceleração e ficou em -0,1% em novembro ante outubro, atingiu 10,1% na comparação anual (ante 10,6% em outubro). O resultado ficou em linha com o consenso.

RÚSSIA X UCRÂNIA 

Uma nova onda de ataques com mísseis russos atingiu a capital Kyiv e todo o país na manhã desta sexta-feira. Após o ataque aéreo, as sirenes soaram em várias cidades, com o prefeito de Kyiv, Vitali Klitschko, confirmando mais tarde que explosões foram ouvidas em pelo menos duas áreas da capital. A manhã de ataques com foguetes ocorreu depois que a UE aprovou novas sanções contra a Rússia. Também houve notícias de que os EUA deveriam expandir o treinamento de combate para as tropas ucranianas.

A Criteria Weekly é uma ação da Criteria Investimentos. Semanalmente novos dados e notícias são publicadas e atualizadas. Continue acompanhando nossos conteúdos e saiba tudo sobre os drivers macroeconômicos, notícias e outros assuntos!

Confira nossos Posts Recentes

Abra uma conta para você ou sua empresa

Fale com um assessor e entenda todas as nossas soluções.

Este site utiliza cookies para te proporcionar uma melhor experiência. Ao continuar navegando você aceita nossa Política de Privacidade.